Lisboa – Entre as várias empresas ligadas ao ex-vice-presidente de Angola começamos por destacar aquelas que recentemente o Estado angolano reconheceu como tal.

Fonte: E Agora
* Sedrick de carvalho

O delfim que passou a todo-poderoso

A Lektron Capital, anteriormente denominada Global Finance, é uma sociedade anónima criada em 2011 cujo objecto social, segundo o seu estatuto, é o de “gestão de participações sociais noutras sociedades como forma indirecta de exercício de actividades económicas”, para além da prestação de serviços e “quaisquer outras actividades conexas não proibidas por lei”.


O conceito comercial de sociedade anónima em Angola é o de uma offshore: não se regista os proprietários da firma em Diário da República – publicação oficial angolana -, ficando secreto um outro registo onde constam os respectivos nomes.

É assim com a Lektron Capital.

Mas as investigações levadas a cabo por jornalistas angolanos há muito já denunciavam Manuel Vicente como o principal beneficiário efectivo da empresa, sempre negado por este,

até que o Serviço Nacional de Recuperação de Activos da Procuradoria-Geral da Repúblicaacabou por confirmá-lo, em comunicado de imprensa divulgado no passado mês de Junho, onde se pode ler que os beneficiários últimos da Lektron são os senhores Manuel Domingos Vicente e Manuel Hélder Vieira Dias Júnior.

No âmbito de uma campanha nacional de recuperação de activos, a Procuradoria-Geral de Angola (PGR) identificou a Lektron Capital como uma das beneficiárias dos financiamentos públicos levados a cabo pelo Estado nas últimas décadas.

 

 

Essa firma recebeu 125 milhões de dólares norte-americano da SONANGOL tão logo foi criada e com esse dinheiro comprou parte do Banco Económico, anteriormente Banco Espírito Santo – Angola (BESA).

Ou seja, Manuel Vicente, enquanto PCA da SONANGOL, deu dinheiro por empréstimo à Lektron Capital, sua empresa, para comprar o Banco Económico, seu banco, do qual detém 30,9%.

A ilegalidade está por demais patente nesse negócio, numa sucessão de actos promíscuos de improbidade acobertados sempre pelo ex-presidente José Eduardo dos Santos e ignorado pela justiça angolana.

A transformação do BESA em Banco Económico, no dia 20 de Outubro de 2014, tem a mão de Manuel Vicente, à data vice-presidente de Angola, que participou na reunião através do seu duplo representante e conhecido testa-de-ferro Zandre Campos Finda, pelas empresas Lektron Capital e Portmill.

Nesse dia, uma hecatombe se abateu sobre o “BES mau– a divisão do BES em dois feita pelo Banco de Portugal em Agosto de 2014 -, que viu passar a zero os 55,71% que detinha no BESA, e o Novo Banco, substituto do BES em Portugal, fica apenas 9,7% do capital do Banco Económico em Luanda.

A Portmill Investimentos e Telecomunicações é outra empresa com ligações a Manuel Vicente, envolvida também no citado processo contra o procurador português. Essa firma foi a principal beneficiária da privatização da empresa de telecomunicações angolana Movicel ao ficar com 59% do capital, em parceria com a Modus Comunicare.

No relatório «Presidência da República – O epicentro de corrupção em Angola»,

Rafael Marques de Morais explica como foi feita a privatização.

No dia 26 de Agosto de 2009 o conselho de ministros, chefiado por José Eduardo dos Santos, decidiu privatizar a Movicel sem a realização de concurso público.

Dois meses antes, Manuel Vicente e os generais Manuel Hélder Vieira Dias «Kopelipa» e Leopoldino do Nascimento “apartaram-se formalmente da sociedade […] de que eram proprietários, com 99,96% das acções equitativamente repartidas entre si”.

O novo dono, em 99,9%, passou a ser o tenente-coronel Leonardo Lidinikeni, à altura oficial da escolta presidencial, logo,

subordinado ao então ministro de Estado e Chefe da Casa Militar Manuel Hélder Vieira Dias «Kopelipa», que participou no conselho de ministro, juntamente com Manuel Vicente enquanto PCA da petrolífera.

A Companhia de Bioenergia de Angola (BIOCOM), consórcio criado em 2007 pela multinacional brasileira Odebrecht, Damer Indústria e a SONANGOL Holdings, é outra empresa devedora do Estado angolano visada pelo governo de Luanda na campanha de recuperação de activos.

A nota de imprensa da PGR omitiu os angolanos beneficiários efectivos dessa empresa. É o triunvirato de sempre: Manuel Vicente e os generais Manuel Hélder Vieira Dias «Kopelipa» e Leopoldino do Nascimento, através da Damer Indústria, que foi criada três meses antes da BIOCOM, em Julho de 2007, conforme aponta Marques no referido relatório nunca desmentido):

“Como é corrente nos investimentos de vulto aprovados pelo Conselho de Ministros e nas parcerias entre multinacionais estrangeiras e empresas privadas angolanas, parte considerável do capital social é reservada a dirigentes.

A Damer Indústria S.A, criada a 26 de Julho de 2007, pertence, de forma equitativa aos generais Manuel Hélder Vieira Dias Júnior “Kopelipa” e Leopoldino Fragoso do Nascimento em associação a Manuel Vicente, presidente e director-geral do Conselho de Administração da Sonangol, p. 16.

Em 2009 o conselho de ministros aprovou a criação do projecto Unidade Agro-Industrial de Cacuso – Malanje para o cultivo e produção de cana-de-açúcar, esperando fornecer ao país açúcar, álcool e energia eléctrica, e para tal injectou 272.3 milhões de dólares.

As três empresas mencionadas ficaram encarregues do projecto, criando a BIOCOM. E assim, mais uma vez, temos Manuel Vicente, PCA da SONANGOL, a utilizar a subsidiária SONANGOL Holdings para participar com dinheiro público num negócio onde ele é parte pela Damer Indústria.

A base de dados Donos Efectivos de Angola tem 28 empresas associadas a Manuel Vicente.

Entre elas o Banco Angolano de Investimentos (BAI), do qual é dono em 5% através da empresa offshore ABL, conforme referido por Marques que cita um relatório do senado norte-americano publicado em 2010.

O BAI, recém classificado como o maior banco comercial em Angola, tem a SONANGOL como o accionista maioritário, assumindo a vice-presidência do conselho de administração. Manuel Vicente, mais uma vez, à altura aparece para representar a empresa petrolífera, ao mesmo tempo que representava interesses privados – os próprios.

A petrolífera Nazaki é outra empresa de Manuel Vicente, em sociedade com os generais Kopelipa e Leopoldino do Nascimento.

A Nazaki é parceira da norte-americana Cobalt, detida pelos grupos Goldman Sachs e Carlyle, e juntos exploram petróleo nos blocos 9 e 21, referem Jorge Costa, João Teixeira Lopes e Francisco no livro «Os donos angolanos de Portugal».

A Cochan S.A., uma empresa com várias ramificações registada em Angola a 6 de Abril de 2009, é outra empresa em que aparece Manuel Vicente. Com um objecto social diversificado, a Cochan S.A. é dona de outra empresa: a Pumangol, “o mais influente intermediário na venda de petróleo angolano, assim como na distribuição de combustíveis no país”, escreveu Marques.

Entre os accionistas formais da Cochan S.A. figura Zandre Finda, o conhecido testa-de-ferro de Vicente. É administrador executivo da referida Nazaki, também de Vicente.

RELAÇÕES INTERNACIONAIS CRIMINOSAS

Manuel Vicente tem uma vasta rede internacional de relações privadas, e desta faz parte personalidades condenadas em tribunais de vários países e outros com processos em curso.

São os exemplos dos três envolvidos na chamada “Operação Fizz, em Portugal, nomeadamente, Orlando Figueira e os advogados Proença de Carvalho e Paulo Blanco.

Mas há quem tenha sido condenado secretamente a prisão perpétua.

Sam Pa, um dos vários nomes de um empresário chinês que durante anos foi o principal elo entre os negócios de Angola e China, foi detido em Outubro de 2015 sob suspeita de corrupção.

O grupo empresarial que chefiava, denominado Queensway Group, tem ligações a diversas empresas filiadas em Angola, como a Total, a BP e a Glencore. Mas também com a China Sonangol International Holding (CSIH).

E aí aparece o «Sr. Petróleo», na qualidade de director da empresa sediada em Hong Kong,

tendo mesmo exercido essa função cumulativamente com a de vice-presidente de Angola, ao arrepio da constituição

A CSIH é detida em 70% pela Dayuan International Development Limited e 30% pela SONANGOL.

A Dayuan é propriedade de outra empresa, a New Bright International (NBI), que detém 70% e os restantes pertencente ao chinês Wu Yang, que usou o endereço dos serviços secretos chinês para registar as suas empresas, estas associadas da SONANGOL.

Por sua vez, dois outros cidadãos chineses são os proprietários da NBI, e todos estes estão associados ao amigo condenado de Manuel Vicente – Sam Pa.

O jornalista britânico Tom Burgis, autor do livro «A pilhagem de África», conta uma façanha hollywoodiana entre Sam Pa e Manuel Vicente.

Registado como António Sampo Menezes em Angola, Sam Pa aterrou na Guiné Conacri em 2009 com o propósito de expandir os seus negócios àquele território.

O ministro das Minas e Energia à altura, Mahmoud Thiam, foi ;quem recebeu a comitiva, que juntava também Lo Fong Hung, sócios na Dayuan.

Thiam informou o presidente Moussa Dadis Camara (2008 – 2010), e imediatamente decidiu investigar os chineses.

Sam Pa, em jeito de garantia, citou a sua fraterna amizade com o «Sr. Petróleo» de África, que Thiam conhecia do tempo que trabalhou na banca.

Ao ouvir o nome Manuel Vicente ficou boquiaberto, mas, receoso, desafiou Sam Pa a deslocar-se a Conacri na companhia do amigo de Luanda nos seguintes termos: “Se vocês são tão amigos de Manuel Vicente, voltem cá com ele”, p. 162.

Sam Pa surpreendeu o governo quando três dias depois aterrou em Conacri no mesmo avião com Manuel Vicente, e no mesmo dia foram recebidos pelo presidente Dadis.

A Dayuan, anteriormente Beya, criou em 2003 a China International Fund Limited (CIF) “que passou a gerir as linhas de crédito e os projectos de reconstrução sob a alçada do então Gabinete de Reconstrução Nacional, chefiado pelo general Kopelipa, frisa Rafael Marques de Morais no seu concorrido site Maka Angola.

E no meio do CIF e outros negócios surge outro “velho amigo” da presidência angolana: o traficante de armas franco-angolano Pierre Falcone, que chegou a cumprir pena de prisão em Paris.

Juntos, Manuel Vicente e amigos formam um cartel criminoso dedicado a delapidação das riquezas do Estado angolano.

Em Portugal não faltam indivíduos com ligações a Vicente, ainda que fracas ligações. É o caso de Armando Vara, ex-ministro das Finanças no governo de José Sócrates.

Actualmente condenado a cinco anos de prisão por três crimes de tráfico de influência no caso «Face Oculta», Armando Vara cruzou-se com Manuel Vicente enquanto vice-presidente do banco BCP, em Portugal, do qual a SONANGOL é acionista com 19,4%.

O TODO-PODEROSO NO PALÁCIO DA CIDADE ALTA

Enquanto várias personalidades da anterior administração chefiada por José Eduardo dos Santos têm sido investigadas por corrupção, estranhamente Manuel Vicente, comprovado corruptor de um magistrado em Portugal, permanece intocável em Angola.

É deputado pelo partido MPLA, e membro do seu comité central, mas tem sido também referido como conselheiro especial do presidente João Lourenço para as questões de petróleo, o que lhe dá acesso directo ao palácio presidencial localizado na cidade alta de Luanda.

Discreto como sempre, o «Sr. Petróleo», que deixou de ser «O Irritante» nas relações entre Angola e Portugal, evidencia ser exímio manobrador político.

O seu “padrinho” José Eduardo dos Santos também figura entre os visados pelos discursos contra a corrupção proferidos por João Lourenço, que apelidou demarimbondosos “traidores da pátria”.

O clima de crispação entre Lourenço e JES chegou ao ponto de o último recusar-se a viajar em avião cedido pelo Estado, mesmo com a intervenção directa do presidente.

Em reacção à lista de empresas que beneficiaram dos fundos públicos divulgada pela PGR, a Lektron Capital, de Manuel Vicente, “procedeu a entrega voluntária das participações sociais [que detinha no Banco Económico] ao Estado angolano”, referiu a PGR.

Todos os indícios de enriquecimento ilícito, corrupção, peculato e associação criminosa que elencamos parecem não ser suficientes para a PGR angolana instaurar um processo-crime contra Manuel Vicente, nem para o presidente mantê-lo afastado.

É apontado como o homem mais rico de Angola, detentor de informações financeiras importantes e de ser indispensável ao presidente Lourenço por essa razão.

____________________

A presente investigação foi realizada com o apoio do Global Anti-Corruption Consortium e da Transparência e Integridade/ Transparency International Portugal

Fonte: E Agora –  janeiro 13, 2020
* Sedrick de carvalho

Mise en forme : jinga Davixa

Partilhe este artigo

 

LAVA JATO : .. Justiça angolana aguarda por FIM de imunidade para investigar Manuel Vicente – PGR …

KLEPTO-CRACISMO : .. Juntos e misturados na.. roubalheira …

ANGOLA : Une Banque Centrale,.. un pillage de 500 millions de $$ dollars et digne de… «Ocean’s Eleven» – -du genre intriguant,.. mis en échec par un caissier de la HSBC…

KLEPTO-MANIA : Quê família é essa ?..

KLEPTOCRATIE : Le général « DINO », commandant du Coup-Politique et illégal à la BESA …

LAVA JATO : .. Justiça angolana aguarda por FIM de imunidade para investigar Manuel Vicente – PGR …

O CASO ISABEL DOS SANTOS : ..Extradiçao de Portugueses para Angola …

 

LAVA JATO : .. Justiça angolana aguarda por FIM de imunidade para investigar Manuel Vicente – PGR …

KLEPTOCRACIA : insulto, desdém … e.. « Cabritismo » …

LAVA JATO : ..Congeladas contas bancárias de Higino Carneiro,.. Manuel Rebelais e outras figuras políticas na Suíça …

CABRITISMO : ..Governantes de Angola acusados de .. » Criminosos » .. (video..)..

ANGOLA : Le pillage d’un pays à travers ses Diamants …

CABRITISMO : Comment le Brésilien Odebrecht a aidé les généraux angolais à devenir « chefs d’entreprises » …

PROTECTORAT LUNDA-TCHOKWÉ : LES 5 MILITANTS JETÉS EN PRISON, VIENNENT D’ÊTRE LIBÉRÉS, APRÈS 7 MOIS D’INCARCÉRATION.

LAVA JATO : ..Congeladas contas bancárias de Higino Carneiro,.. na Suíça …

DROITS DE L’HOMME : .. un fardeau qui s’appelle,.. JOAO-MARIA de SOUSA …

ANGOLA : Conseils pratiques pour prisonniers .. de Luxe .. et autres..”V.I.P” ?.. – Rafael Marquès de Morais

ANGOLA : Droit à la Santé et Crimes contre l’humanité …

MAKUTA NKONDO : .. diz que Adalberto Costa Júnior é um dirigente cheio de blá blá blá,.. censurada na Rádio Despertar…

LAVA JATO : Destruir o covil de ladrões …

3 pensées sur “CABRITO-LEAKS : .. as empresas de Manuel Vicente …”

Laisser un commentaire

Votre adresse de messagerie ne sera pas publiée. Les champs obligatoires sont indiqués avec *